segunda-feira, 20 de julho de 2015

Sinais, diálogos e entendimentos + redes sociais



Outro dia conversava com minha irmã sobre essa história de ter "mensagens subliminares" em cada ação nossa nas redes sociais. Pra ela, sempre tem uma segunda intenção, menos com as amigas, claro...

Bom, até pouco tempo, eu curtia uma foto de algum amigo e isso não significava nada mais, nada menos, do que "achei essa foto legal"... independente da imagem que fosse, ou de quem fossem os créditos!
Aos poucos tenho percebido que adicionar, mandar mensagem inbox, e às vezes, sutilezas como a quantidade de vogais numa palavra (sim, "oi" é uma coisa, "oiiiieeee", é outra!), faz com que a pessoa lá do outro lado entenda muitas coisas, e nem sempre é o sentido exato que queremos.

Agora, curtir uma foto pode dizer muitas coisas, abrir ou fechar portas... começar relacionamentos... ou brigas! E quando a gente coloca os emoticons no meio do assunto? Bom, daí a quantidade de sinais e interpretações se multiplicam.


Acho que é importante a gente ter um critério.... o tipo de beijinho que a gente se despede das amigas é um, da família é outro... dos caras, é um terceiro - dependendo da sua intenção, sempre.
Se a gente manda o mesmo sinal para todos... bom, cuida bem o tipo de "bonequinho" que tá usando, combinado? Pra não dar problema do chefe se apaixonar, ou sua mãe achar que vc tá carente!

Tenho a impressão que quando a gente conhece alguém pessoalmente, quanto mais conhecer a pessoa, mais fácil interpretar cada um desses sinais. Já sabemos o jeito de falar, e a construção do raciocínio de quem está do outro lado da "janelinha". Quando a gente conhece pouco, ainda não tá inserido no repertório do outro, bom... é aí que a gente começa  a interpretar errado.

Na época do Orkut, tinha uma comunidade ótima que dizia: "Sou legal, não tô te dando mole".
Perfeita pra mim. Sim, sou legal com everybody! Só depois de ser legal é que penso se vai rolar alguma coisa ou não... Tá Mel, e se já rolou alguma coisa antes? Qualquer contato é vontade de ver, ficar, passar a noite? Eu acho que não. Acho que cada contato é um novo recomeço. Não temos nada garantido, não temos relacionamento com ninguém...


Quando a gente parte desse princípio, cada papo é uma reconquista, ou não... depende do que acontecer em cada papo!
Fica pra nós o desafio de saber o que sentimos e expressarmos isso de uma forma que ninguém entenda errado. Afinal, a responsabilidade de fazer o "receptor" entender a mensagem é sempre do "emissor" - e viva as aulas de teorias da comunicação! Atuais até hoje e acho que para sempre!

Piscadinha malandra, meu povo ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça parte da corrente, comente!