terça-feira, 8 de setembro de 2009

Me indicaram a matéria abaixo.... Pq será, hein?!

Paola Deodoro
paola.deodoro@zerohora.com.br


It girls são como musas. Com personalidade e modos de vida marcantes, as "meninas do momento" se tornaram importantes referências de estilo no mundo. São apostas das principais grifes e exemplo para quem gosta de seguir o que é novo, o que é fresco, o que é atual.

Uma das mulheres que tem o nome mais ligado a este termo é a modelo Kate Moss. Aos 36 anos, ela segue como uma das principais opções para grandes campanhas publicitárias pelo poder de influência que desenvolveu ao longo da (nem tão exemplar) carreira. Outra britânica que provoca a reverência dos modernos é a atriz Sienna Miller. Com um dress code impecável, Sienna roubou espaço das supermodelos e estampou a capa da importante edição de setembro da Vogue America de 2007, instalando a tradição. Em 2008 foi Keira Knightley e, na edição atual, é Charlize Teron quem está na primeira página. Ainda que de forma mais contida, a atriz desfila um dos guarda-roupas mais impressionáveis da temporada.

Tem, inclusive, it girl brasileira circulando pelas "september issues" das principais revistas de moda. A relações-públicas da Louis Vuitton no Brasil, Roberta Romano, foi fotografada para a sessão "Street Fashion" da Elle inglesa. Bianca Brandolini, namorada do herdeiro da Fiat Lapo Elkann, abriu seu closet para ilustrar três páginas da Vogue inglesa.

Hollywood tem as suas. Londres tem as suas. São Paulo tem as suas. E Porto Alegre também. Incentivados por uma pesquisa feita pela Delta Sys, da Allcon, que buscava identificar o perfil do mercado de moda gaúcho, ficamos com vontade de buscar as garotas-referência locais.

– A nossa pesquisa foi baseada em alguns nomes específicos, determinando o perfil de quem segue e de quem determina o que é moda dentro de um contexto. E descobrimos que não só a moda que está envolvida. Outros traços do comportamento também são decisivos para formar o que nós chamados de influenciadoras de moda – contou a diretora do núcleo de pesquisas da Delta Sys, Fernanda Pereira.

Segundo Fernanda, essas mulheres tem um círculo grande de amigos, são independentes, já moraram fora, viajam com freqüência e circulam em diferentes lugares. Geralmente namoram ou são casadas, e a relação com os cabides vem, em grande parte, como herança materna. Gostam de trabalhos que exercitem a criatividade e a sensibilidade e admiram as coisas ligadas à arte.

Mas o surpreendente é que não são consumidoras descontroladas, como parece em uma primeira avaliação. Quem gosta de moda consome de maneira mais proveitosa e consciente, porque considera o momento da compra uma decisão importante.

– Eu não tenho uma wish list (lista de desejos). Eu me apaixono por uma peça e compro, independentemente se é a tendência desta temporada – revela Sabrina Gasperin, modelo gaúcha que mora em São Paulo.
Sabrina, 33 anos, está de casamento marcado para outubro com o designer de joias Ara Vartanian, amado pelas jet-setters brasileiras. Natural de Caxias do Sul, ela vem sendo frequentemente apontada pelos rankings nacionais como um bom exemplo de estilo. A roqueira que chegou a morar em Seattle, nos Estados Unidos, para acompanhar de perto o movimento grunge, adora motocicletas, é fã do seriado Twin Peaks e tem uma casa na riponga Trancoso, na Bahia, reúne elementos essenciais para uma it girl: é eclética, circula entre gente muito interessante e convive com pessoas ligadas ao design e à moda. A fórmula certeira resultou em uma mulher de personalidade: nada de plataformas altíssimas e calça cenoura em seu armário.

– O que está fazendo sucesso no meu acervo ultimamente tem sido uma jaqueta de couro do Reinaldo Lourenço, que tem um laço na gola, uma ankle boot preta da Chloé, vazada dos lados, e umas regatas decotadas da Raya de Goye, que gosto de usar com a lingerie aparecendo.

Com tanto know-how, decidiu colocar seus conhecimentos de estilo à prova e, dentro da marca de jóias do noivo, lançou no ano passado uma linha com o seu nome.

– As criações do Ara são grandes, com pedras gigantes. As minhas são mais delicadas, mais femininas, com influências étnicas dos lugares que eu já visitei, como a Índia e a China.

TRIO DO PODER

Quem são as it girls que influenciam a moda, o comportamento e o estilo das mulheres mundo afora

Kate Moss: a mais "it" das "it girls" foi a responsável por ampliar o gosto pela calça skinny, pela franja reta, pelo estilo boyish e também pelas botas de cano longuíssimo, chamadas cuissardes.

Nicole Richie: depois de muito exibir sua silhueta magérrima, ajudou a incorporar as overshirts (camisetas imensas) ao guarda-roupa das grávidas. Principalmente durante sua segunda gestação.

Sienna Miller: a mais descolada das it girls, ela é quase consenso de bom-gosto. Com Sienna, o modelo de bolsa mais clássico da Chanel, o 2.55, de matelassê e alça de correntes, saiu do brechó e virou hype.

A PIONEIRA

O termo it girl foi usado pela primeira vez pelo romancista Elinor Glyn para descrever a atriz Clara Bow, quando ela surgiu em 1927 no filme-mudo "It".

Um comentário:

  1. \o/ é tu, é tu, é tu!!!! \o/

    Quando eu via a matéria na TV eu me lembrei de ti... Nem precisa dizer nada, é só observar as pessoas te imitando e admirando o teu jeito de ser!

    No final do post, junto com os marcadores Moda e Tendência, tu deveria ter colocado Mel Danda!

    hehehehehehehhehe

    Beijos, adoro tu!

    ResponderExcluir

Faça parte da corrente, comente!